Pesquisar neste blog

30 de out de 2012

Você esta Revestido De Poder - Paul Washer

28 de out de 2012

Porque eu não voto em candidato(a) comunista - Abraão

Mais um ano de eleições, as mesmas propagandas, as mesmas promessas e as mesmas denúncias. Que vença o menos corrupto! (pensam alguns).

Para além disto, aparentemente, poucas pessoas sabem que os partidos políticos são motivados por ideologias, que constituem o fundamento dos seus planos e de suas decisões.

Muitas pessoas rejeitam este fato, chegando ao ponto de acreditarem que os partidos no fim são todos iguais, achando que eles se importam apenas com os votos. Mas será que isto é verdade?

Mas a realidade não é esta. É evidente que os partidos desejam votos, somente assim eles obterão poder político, para assim, implantarem seus projetos, e moldarem a sociedade de acordo com a sua própria visão de mundo.

24 de out de 2012

A Letra Mata? - Elvis Brassaroto Aleixo

A marginalização do estudo teológico

Deus existe? Quem é Deus? Onde Deus está? Para onde vou após a morte? Existe céu? Existe inferno? Devo crer na Bíblia como Palavra de Deus?

Todos os cristãos que algum dia já se detiveram na reflexão destas simples, mas inquietantes interrogações, experimentaram, ainda que inconscientemente, momentos de meditações teológicas, pois a teologia é uma matéria importante e inerente a todos os crentes que, de forma inevitável, contemplam os mistérios da vida e as revelações divinas.

21 de out de 2012

A Oração Faz as Coisas Acontecerem - John Piper

18 de out de 2012

A Insuficiência do "Cristianismo Instantâneo" - A. W. Tozer

Não é de admirar que o país que inventou o chá e o café instantâneos também desse ao mundo o cristianismo instantâneo. Caso essas duas bebidas não tenham sido realmente inventadas nos Estados Unidos, foi certamente aqui que receberam o ímpeto publicitário que as tornou conhecidas na maior parte do mundo civilizado. E não pode ser também negado que foi o Fundamentalismo americano que introduziu o cristianismo instantâneo nas igrejas evangélicas.

Se ignorarmos por um momento o romanismo e o liberalismo em seus vários disfarces, concentrando nossa atenção sobre o grande número de crentes evangélicos, vemos imediatamente quanto a religião cristã sofreu na casa de seus amigos. O gênio americano para a realização fácil e rápida de tudo, sem preocupar-se com a sua qualidade ou permanência, gerou um vírus que veio a contagiar toda a igreja evangélica nos Estados Unidos e, através de nossa literatura, nossos evangelistas e nossos missionários, espalhou-se por todo o mundo.

15 de out de 2012

Consequências da Pregação Bíblica - Steven Lawson

9 de out de 2012

O Amor às Ovelhas ou o Dinheiro Delas? - Richard Baxter


Um coração vazio pode impedir a entrada de alguém, mas não um bolso vazio. Seu reino de graça sempre foi mais congruente com a desprezível pobreza que com a riqueza e a honra, e as riquezas dificultam muito mais a entrada que a carência; pois Deus escolheu "os que são pobres aos olhos do mundo para serem ricos em fé e herdarem o Reino que ele prometeu aos que o amam" (Tg 5.2).

Sei que "o trabalhador merece o seu salário" (Lc 10.7) e aqueles "que pregam o evangelho, que vivam do evangelho" (1Co 9.14). [...] No entanto, desejaria que os bem-intencionados ministros de Cristo levassem em consideração o que é aconselhável, e também o que é legítimo, sabendo-se que a salvação de uma alma é melhor que uma grande quantidade de dinheiro, e que nosso ganho, embora legítimo, é um ganho abominável, pois é pedra de tropeço para a alma de nosso rebanho. Tornemos o evangelho da graça tão pouco oneroso e incômodo quanto possível. Prefiro não aceitar o dízimo de meu rebanho que destruir as almas por quem Cristo morreu; e embora Deus tenha ordenado que aqueles "que pregam o evangelho, que vivam do evangelho" (1Co 9.14), prefiro sofrer todas as coisas que ser um obstáculo para o evangelho; e seria melhor morrer que permitir que algum homem transforme isso em minha honra inútil. [...] 

6 de out de 2012

Eu Viverei Pela Fé, Não Pelos Sentimentos - Don Johnson

3 de out de 2012

A Pregação Fervorosa: Uma Arte Esquecida - Leonard Ravenhill

Já se passaram alguns séculos desde que o reformador suíço Oecolampad disse: “Uns poucos
pregadores bons e fervorosos produziriam maior impacto no ministério cristão do que uma multidão de homens mornos!” E a passagem do tempo não anulou a verdade contida nessa afirmação. Precisamos de mais “pregadores bons e fervorosos”. Um deles foi Isaías, com sua confissão: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios”. E Paulo foi outro: “Ai de mim, se não pregar o evangelho”. Mas nenhum dos dois tinha um conceito mais amplo da magnitude de sua tarefa do que Richard Baxter, que era ministro da Igreja Kidderminster, na Inglaterra. Quando alguém o criticou, tachando-o de ocioso, ele respondeu o seguinte: “A pior coisa que eu poderia desejar-lhe era que tivesse minha folga em vez do seu trabalho. Tenho razões para me considerar o menor de todos os salvos, e no entanto não teria receio de dizer ao acusador que considero o serviço da maioria dos trabalhadores desta cidade um prazer para eles, em comparação com o meu, embora não trocasse minha tarefa com a do mais importante príncipe”.