Pesquisar neste blog

30 de out de 2010

Frases 36 - William S. Plumer


"Uma boa consciência é o melhor tesouro já possuído, o melhor prazer já experimentado, a melhor honra já conferida."

"Cada uma das obras de Deus é grandiosa à sua maneira. Todos os anjos e todos os homens unidos não poderiam criar um gafanhoto."

"Quando damos a Deus tudo o que temos e somos, entregamos-lhe simplesmente o que lhe pertence."

"Se Deus não fosse onisciente, o coração humano iria enganá-lo."

11 de out de 2010

Seja um Homem Bíblico - Paul Washer

7 de out de 2010

Pastor ou gerente? Igreja ou empresa? - Isaltino Gomes Coelho Filho

A questão não é nova. E me defino logo: a igreja não é empresa e o pastor não é gerente eclesiástico.
Sei que um pastor deve ter noções de liderança de grupo e que uma igreja precisa de regras de vivência administrativa. Inclusive, por ser pessoa jurídica, se submeter às leis do país. Mas igreja não é empresa. Igreja é igreja, algo totalmente singular e distinto de qualquer outra organização. E deve ser pastoreada por homens que sejam pastores. Deus deu pastores à igreja (Ef 4.1) e não administradores de empresa. Gerentes devem ficar em empresas, e pastores nas igrejas.

A liderança da igreja não se forma em escolas de administração nem em cursos de liderança. É carismática. Os charismata do Espírito são para fazer a igreja viver. Sem os dons do Espírito a igreja pode ser uma instituição admirável, funcionando bem, como uma máquina azeitada, mas corre o risco de não ser mais igreja. Por charisma não me refiro a curas, línguas, ou sua interpretação. Nas listas de dons do Novo Testamento, estes não são os primeiros alistados. Não discutirei dons, aqui. Posso discuti-los em outra ocasião, mas agora afirmo o seguinte: a igreja e o ministério pastoral têm sido descaracterizados por causa de um enfoque equivocado. Os apóstolos pediram à igreja que escolhesse homens de boa reputação para administrar um problema da igreja, e afirmaram: “Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra” (At 6.4). Esta é a função primordial do pastor: assuntos espirituais. E não me digam que supervisionar colocação de tijolos é negócio espiritual, que não há dicotomia entre vida material e espiritual, que esta separação é platonismo, etc. Posso discutir Platão em outra ocasião, mas ele não tem nada a ver com esta visão. Os apóstolos deixaram claro que tinham algo mais importante a fazer que cuidar de alguns problemas da igreja, que eram relevantes e ameaçavam a unidade, mas que não eram para eles cuidarem. Hoje há uma inversão: os pastores cuidam dos negócios e pedem à igreja que ore por eles. Mas em Atos, os homens da igreja cuidavam dos negócios e os pastores oravam e pregavam.

1 de out de 2010

Um homem de Deus: Uma Entrevista com Leonard Ravenhill