Pesquisar neste blog

21 de fev de 2010

A Diferença - Paris Reidhead


Esse vídeo é apenas um trecho da pregação "Dez ciclos e uma camisa" que você aqui. É uma poderosa mensagem sobre quais os motivos que nos levam a servir a Deus. Alimento sólido. Recomendado para os cristãos maduros na fé.


Livro - À procura de Deus - A. W. Tozer


Este é um livro para aqueles que estão sedentos por Deus. Para aqueles que já descobriram que apenas o conhecimento intelectual não satisfaz, e estão buscando o pão da vida. A linguagem de Tozer (um homem completamente apaixonado por Deus), faz-nos deixar o livro e ir correndo nos prostrar e buscar a Deus.

Sinopse: O objetivo principal do apóstolo Paulo era CONHECER A CRISTO!; e, enquanto o povo de Deus conhecia apenas os seus feitos, Moisés conhecia os seus caminhos. Hoje em dia preocupamo-nos mais em servir a Deus do que em conhecê-lo intimamente. É certo que queremos sentir a presença de Deus em nosso meio, mas, para quê? Para alcançar nossos objetivos ou os dele? Este livro oferece a solução para quem já conhece a Cristo, mas não está satisfeito em servi-lo apenas, e deseja, acima de tudo, glorificá-lo e conhecê-lo melhor.
Editora Betânia

Frases 17 - John Blanchard

"Arrependimento não é uma idéia; é uma ação."

"O mundo ainda está esperando pelo primeiro ateu sábio."

"Em muitas igrejas de hoje temos movimentação mas não unção."

"Morrer para nosso conforto, nossas ambições e nossos planos faz parte da própriaessência do cristianismo"

19 de fev de 2010

O Lixo Do Mundo - Leonard Ravenhill


“Irmãos e irmãs, a autonegação é o princípio ético básico da igreja cristã”.
— Dr. Charles Inwood. “O Dr. Matthew MacKail estava embaixo da forca onde seu primo, Hugh MacKail, estava sendo morto, por causa de sua fé. E ao ver o outro se contorcendo suspenso nas cordas, ele agarrou suas pernas e pendurou-se a elas para que morresse mais rapidamente e com menos sofrimento. E foi assim que Hugh Mac-Kail “com seu doce sorriso juvenil” foi encontrar-se com Cristo. “E assim será minha acolhida”, disse ele: O Espírito e a noiva dizem: Vem”. — A morte de Hugh MacKail, membro da Igreja Reformada da Escócia.

“Agora, interrompo minha conversa com os homens, e volto-me para ti, ó Deus. Neste momento, começo a ter com Deus uma comunhão que nunca terminará. Adeus, meu pai e minha mãe. Adeus, amigos e parentes. Adeus, comida e bebida! Adeus, mundo, com seus prazeres! Adeus, sol, lua e estrelas! Agora, acolho a ti, Deus e Pai! Chego a ti, ó doce Jesus, mediador da nova aliança. Chego a ti, bendito Espírito da graça, Deus de toda a consolação! Agora, chego à glória; à vida eterna! Bem-vinda, mor-te!”


O que vem a ser “o lixo do mundo?” (1Co 4.13). Seria o ventre do mal, onde nasce o crime organizado? Seria o gênio do mal que mobiliza as insurreições internacionais? Ou seria a Babilônia? Ou, quem sabe, Roma? Seria o pecado? Ou será que descobriram em algum lugar toda uma tribo de maus espíritos e deram a ela esse nome? Ou talvez seja uma moléstia sexualmente transmissível?
Se levantarmos mil suposições sobre essa questão obteremos mil respostas, e nenhuma delas estará correta. A resposta certa é exatamente o oposto do que se poderia esperar. Essa expressão “lixo do mundo” não designa homens nem demônios. E não é nada de conotação maligna; é benigna. Não; não é nem benigna: é o melhor que pode haver. Também não é nada material; é espiritual. Não tem nada a ver com Satanás, mas com Deus. E não apenas é da igreja, mas um membro dela. E não apenas um membro, mas o mais santo dela, a mais preciosa de todas as jóias. Paulo diz: “Nós, os apóstolos, somos considerados lixo do mundo”. E logo em seguida ele acrescenta a essa injúria um insulto, e intensifica a infâmia, aumentando ainda mais a humilhação, pois afirma: “(somos) escória de todos” (1Co 4.13).

16 de fev de 2010

Unção - Leonard Ravenhill

Leonard Ravenhill nos fala sobre a importância do tempo devocional e da oração para recebermos a unção necessária para o ministério.

Este Mundo: Parque de Diversões ou Campo de Batalha? - A. W. Tozer


As coisas não são para nós apenas aquilo que são, mas aquilo que julgamos que sejam. O que vale dizer que nossa atitude em relação a elas em análise final, é mais importante do que as coisas em si.

Este é um conhecimento comum, como uma moeda velha, amaciada pelo uso. Todavia, traz sobre si a marca da verdade e não deve ser rejeitado por ser familiar.

Um desses fatos é o mundo em que vivemos. Ele está aqui e tem estado aqui através dos séculos. Esse é um fato estável, prati¬camente imutável como o passar do tempo, mas quão diferente é a visão do homem moderno daquela de nossos país. Vemos clara¬mente neste ponto como é enorme o poder da interpretação. O mundo para todos nós não é apenas aquilo que é, mas aquilo que cremos que seja. E o sofrimento ou a felicidade depende em grande parte de nossa interpretação.

Sem ser preciso ir muito além da época em que nosso país foi descoberto e começou a desenvolver-se, podemos observar o imenso contraste entre o comportamento moderno e o de nossos ancestrais. 

Nos primeiros tempos, quando o cristianismo exercia influência predominante sobre o nosso modo de pensar, os homens concebiam o mundo como um campo de batalha. Nossos pais acreditavam que o pecado, o diabo e o inferno compunham uma força única; enquanto Deus, a justiça e o céu eram a força contrária à deles. Os dois po-deres estavam em luta constante na natureza humana, sendo a sua inimizade profunda, grave e irreconciliável. O homem, segundo nossos pais, tinha de escolher qual o lado em que queria ficar; não podendo manter-se neutro. Para ele era um caso de vida ou morte, céu ou inferno, e se decidisse colocar-se ao lado de Deus, podia esperar guerra declarada contra os inimigos do Senhor. A luta seria real e mortífera, durando enquanto houvesse vida aqui na terra. Os homens consideravam o céu como uma volta da guerra, uma deposição da espada, a fim de gozar da paz do lar preparado para eles.

Agonia - Leonard Ravenhill

Leonard Ravenhill foi um profeta. Um verdadeiro homem de Deus, prostrado aos pés do Senhor e que não temia os homens. Esse é mais um vídeo em que ele convoca a Igreja ao arrependimento. Ah Senhor! Envia seus profetas à sua Igreja adormecida...

Frases 16 - John Blanchard

"O amor cristão é a marca registrada da vida cristã."

"A ansiedade nunca fortalece você para o amanhã; ela apenas o enfraquece para o dia de hoje."

"A pessoa que diz que pode viver descuidadamente porque não está debaixo da lei, mas debaixo da graça, precisa verificar bem se não está debaixo da ira."

"A apostasia nunca começa com uma forte explosão ... começa de modo silencioso, vagaroso, sutil e insidioso."

"O cristão que parou de se arrepender parou de crescer."

Livro - Por que tarda o pleno avivamento? - Leonard Ravenhill


Se você está sedendo por fogo dos céus e ser cheio do Espírito e do poder de Deus, leia este livro. Ravenhill escreve de maneira forte e poderosa, incendiando o coração do leitor. Como um profeta, ele aponta com ousadia os pecados das igrejas modernas e clama por um arrependimento genuíno e um retorno à vida de oração. Ele chora pelas almas, e clama por fogo, para que Deus venha abrasar o coração dos cristãos frios. Recomendadíssimo!

Sinopse: AVIVAMENTO. Sem dúvida esta é uma das palavras mais desgastadas no vocabulário evangélico brasileiro. Mas quando Leonard Ravenhill escreve sobre avivamento ele não toma partido entre carismáticos e tradicionais e nem toma conhecimento das questões debatidas entre eles. Para ele, a questão não é se tocamos bateria em nossos cultos ou se levantamos as mãos em adoração ou louvor. Ele nos chama a levantar um clamor a Deus para que ele fenda os céus e desça com poder e autoridade a fim de tornar o seu nome notório na presença de seus adversários, fazendo as nações tremer diante dele.

Editora Betânia

9 de fev de 2010

A igreja está deixando de ser sal


A Igreja Está Deixando de Ser Sal “Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.” (Palavras de Jesus, em Mateus 5.13.) George Barna é um dos principais pesquisadores cristãos que analisam as tendências da sociedade e da igreja. Ele faz um alerta muito preocupante para todos nós: Estamos enfrentando uma crise que se agrava cada vez mais, e se a igreja não se posicionar com firmeza contra as atuais tendências do mundo, que estão presentes também dentro da própria igreja, acabaremos sucumbindo. “Quando a maioria dos cristãos adultos [...] e também três em cada quatro adolescentes ou jovens convertidos têm orgulho de se declarar adeptos do relativismo moral, então é sinal de que a igreja se encontra em sérias dificuldades”, afirma ele.


6 de fev de 2010

Acorde Igreja! - David Wilkerson, Leonard Ravenhill, Carter Conlon e outros

Excelente vídeo! É uma poderosa mensagem composta por trechos de outras mensagens maiores de diversos pregadores falando sobre a apostasia na Igreja. Desperta Igreja do Senhor!



Apascentando ovelha ou entretendo bode? - Charles H. Spurgeon


Um mal acontece no arraial professo do Senhor, tão flagrante na sua impudência, que até o menos perspicaz dificilmente falharia em notá-lo. Este mal evoluiu numa proporção anormal, mesmo para o erro, no decurso de alguns anos. Ele tem agido como fermento até que a massa toda levede.

O demônio raramente fez algo tão engenhoso, quanto insinuar à Igreja que parte da sua missão é prover entretenimento para o povo, visando alcançá-los. De anunciar em alta voz, como fizeram os puritanos, a Igreja, gradualmente, baixou o tom do seu testemunho e também tolerou e desculpou as leviandades da época. Depois, ela as consentiu em suas fronteiras. Agora, ela as adota sob o pretexto de alcançar as massas.

Meu primeiro argumento é que prover entretenimento ao povo, em nenhum lugar das Escrituras, é mencionado como uma função da Igreja. Se fosse obrigação da Igreja, porque Cristo não falaria dele? "Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura" (Lc.16:15). Isto é suficientemente claro. Assim também seria, se Ele adicionasse "e provejam divertimento para aqueles que não tem prazer no evangelho". Tais palavras, entretanto, não são encontradas. Nem parecem ocorrer-Lhe.

5 de fev de 2010

A condenação dos pecadores - Albert Martin

Esse vídeo traz um trecho de uma dura mensagem sobre o inferno, a ira de Deus e a condenção dos pecadores, ministrado por Al Martin.
Ele me fez lembrar o texto de Jo 6:60 "Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isto, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir?"

Frases 15 - John Blanchard

"É mais fácil dar qualquer coisa que tenhamos do que dar-nos a nós mesmos."

"Se a vida é um acidente, não é possível que ela tenha qualquer propósito, pois acidente e propósito excluem-se um ao outro."

"A adoração vem antes do serviço, e o Rei, antes dos negócios do Rei."

"A verdadeira alegria resplandece no escuro."

"O homem que deseja honra não a merece."

"Se existe algo pior do que a ascensão social no mundo é a ascensão eclesiástica na igreja."

Livro - O que é um cristão bíblico - Albert N. Martin


Pequeno livreto que fala muito bem sobre arrependimento. Ideal para que os novos convertidos entendam o que é o arrependimento segundo a Bíblia.

Sinopse: Neste livrete, o Pr. Al Martin apresenta uma série de considerações acerca do que é um cristão segundo as Escrituras. A leitura deste livrete desafia o leitor a considerar se é ou não um cristão verdadeiro. Neste livrete, o Pr. Al Martin apresenta uma série de considerações acerca do que é um cristão segundo as Escrituras. A leitura deste livrete desafia o leitor a considerar se é ou não um cristão verdadeiro.

Editora Fiel

3 de fev de 2010

Onde estão os Elias de Deus ? - Leonard Ravenhill


“Onde está o Senhor, o Deus de Elias?”, perguntamos. E a resposta é óbvia: “Onde sempre esteve, no seu trono”. Mas, onde estão os Elias de Deus? Sabemos que Elias foi “um homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos”. Mas infelizmente não somos homens com orações semelhantes às dele. Um homem que ora, para Deus, é poderoso. Mas hoje o Senhor está passando de largo pelos homens, não porque sejam imprestáveis, mas porque são por demais auto-suficientes. Irmãos, nossa capacidade nos deixa incapacitados; e nossos talentos constituem um tropeço para nós.

Elias saiu da obscuridade e entrou no palco do Velho Testamento já homem feito. A Rainha Jezabel, aquela filha do inferno, havia removido os sacerdotes de Deus e posto no lugar deles altares para os falsos deuses. A terra estava coberta de trevas, e o povo envolto em escuridão espiritual. E o pecado campeava. A nação se mostrava cada dia mais impura com a proliferação de templos pagãos e ritos idólatras; a toda hora subia ao céu a fumaça dos milhares de altares ímpios.