Pesquisar neste blog

16 de fev de 2010

Livro - Por que tarda o pleno avivamento? - Leonard Ravenhill


Se você está sedendo por fogo dos céus e ser cheio do Espírito e do poder de Deus, leia este livro. Ravenhill escreve de maneira forte e poderosa, incendiando o coração do leitor. Como um profeta, ele aponta com ousadia os pecados das igrejas modernas e clama por um arrependimento genuíno e um retorno à vida de oração. Ele chora pelas almas, e clama por fogo, para que Deus venha abrasar o coração dos cristãos frios. Recomendadíssimo!

Sinopse: AVIVAMENTO. Sem dúvida esta é uma das palavras mais desgastadas no vocabulário evangélico brasileiro. Mas quando Leonard Ravenhill escreve sobre avivamento ele não toma partido entre carismáticos e tradicionais e nem toma conhecimento das questões debatidas entre eles. Para ele, a questão não é se tocamos bateria em nossos cultos ou se levantamos as mãos em adoração ou louvor. Ele nos chama a levantar um clamor a Deus para que ele fenda os céus e desça com poder e autoridade a fim de tornar o seu nome notório na presença de seus adversários, fazendo as nações tremer diante dele.

Editora Betânia

2 comentários:

  1. Este livro é um grande puxão de orelha para aqueles crentes preguiçosos, que não querem ter uma verdadeira vida de oração. Depois que li este livro, fui desafiado a deixar de ter uma vida cristã apática. Oração é o seu grande tema, e nossa maior necessidade.

    ResponderExcluir
  2. Escrito há tanto tempo (1959), no entanto tão atual. Leitura indispensável.

    A síntese desta preciosidade está na página 144, onde o autor escreve: “E alguém dirá: “Se quisermos uma vida santa, precisamos orar!” Mas a recíproca também é verdadeira. Temos que ter uma vida santa se quisermos orar. É o que diz Davi : “Quem subirá no monte do Senhor?...O que é limpo de mãos e puro de coração.” (Sl 24:3-4)”.

    É exatamente o que nos recomendou e assegurou o Senhor em João 15:7: “Se vos estiverdes em mim e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.”
    E eu pergunto aos amados: Quem é este que fez tremenda promessa? Porventura homem mentiroso? Estejamos, portanto, nEle e pratiquemos suas palavras. Não sejamos apenas ouvintes ou meros proferidores da Palavra, enganando-nos a nós mesmos, mas perseverantes e diligentes praticantes da mesma, pois fiel é o que prometeu. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

    ResponderExcluir