Pesquisar neste blog

28 de set de 2009

Uma palavra aos Jovens - Paul Washer


LEMBRE-SE DA BREVIDADE DA VIDA

O primeiro homem foi criado à imagem de Deus. Se ele tivesse se submetido à vontade de Deus, ele teria sido imortal. Ele passaria pelos anos da sua interminável existência de força a força, sem deterioração ou decadência. A passagem do tempo o teria levado a maiores níveis de maturidade, contentamento, e alegria. Sua existência teria abundado com propósitos e glória. Com o advento do pecado, tudo foi perdido, e a existência dos homens tornou-se tragicamente distorcida e deformada acima de reconhecimento. O homem ficou um mortal de breve duração, cansaços, e futilidades. Ele agora vive a sua vida até que toda a sua vitalidade é esgotada, todos os seus propósitos são demolidos, e o corpo finalmente volta ao pó do qual ele veio. Não é sem razão que o pregador grita, “Vaidade de vaidades! Tudo é a vaidade” (Eclesiastes 1:2). Como um moço ou moça, você deve constantemente lutar contra a tentação de esquecer-se da brevidade da vida e da vaidade, até da vida mais longa, vivida fora da vontade de Deus. Você deve aprender das Sagradas Escrituras que a sua vida é menos que um vapor. Você deve ficar convencido desta verdade, e, então, você deve estabelecê-la diante de você como um lembrete constante. Você é mortal e os seus dias são numerados!

Suponha que um ímpio vá para o céu - J. C. Ryle

27 de set de 2009

Jonathan Edwards e o avivamento


Grande pregador dos EUA, ingressou no ministério em 1726. Seu primeiro pastorado foi em Northampton, Massachusetts, onde serviu até 1750. Foi contemporâneo e atuante num grande despertamento espiritual e tido por alguns como o maior teólogo da América do Norte. Era pregador excelente, com célebres sermões publicados: Deus Glorificado na Dependência do Homem (1731), Uma Luz Divina e Sobrenatural (1733) e o mais famoso, Pecadores nas Mãos de um Deus Irado (1741).

Sobre o sermão mais famoso, baseou-se em Deuteronômio 32:35. Depois de explicar a passagem, acrescentou que nada evitava que os pecadores caíssem no inferno, a não ser a própria vontade de Deus. Afirmou que Deus estava mais encolerizado com alguns dos ouvintes do que com muitas pessoas que já estavam no inferno. Disse que o pecado era como um fogo encerrado dentro do pecador e pronto, com a permissão de Deus, a transformar-se em fornalhas de fogo e enxofre, e que somente a vontade de Deus indignado os guardava da morte instantânea.

Continuou, então, aplicando ao texto ao auditório: Aí está o inferno com a boca aberta. Não existe coisa alguma sobre a qual vós vos possais firmar e segurar… há, atualmente, nuvens negras da ira de Deus pairando sobre vossas cabeças, predizendo tempestades espantosas, com grandes trovões. Se não existisse a vontade soberana de Deus, que é a única coisa para evitar o ímpeto do vento até agora, seríeis destruídos e vos tornaríeis como a palha da eira… O Deus que vos segura na mão, sobre o abismo do inferno, mais ou menos como o homem segura uma aranha ou outro inseto nojento sobre o fogo, durante um momento, para deixá-lo cair depois, está sendo provocado ao extremo… Não há que admirar, se alguns de vós com saúde e calmamente sentados aí nos bancos, passarem para lá antes de amanhã…

O sermão foi interrompido pelos gemidos dos homens e os gritos das mulheres; quase todos ficaram de pé ou caídos no chão. Durante a noite inteira a cidade de Enfield ficou como uma fortaleza sitiada. Teve início um dos maiores avivamentos dos tempos modernos na Nova Inglaterra.

Extraído de: Campos de Boaz

21 de set de 2009

Livro - A face oculta do amor - Marcos S. Borges (Coty)


Este é um dos melhores livros que já li sobre o tema sensualidade e amor. O livro é atual, baseado nas Escrituras e escrito por um dos diretores da Jocum. Bom seria se todos os adolescentes e jovens cristãos hoje lessem esse livro.

"Os dias que vivemos têm sido caracterizados por uma atração terrível do espírito de sensualidade. Nosso País tem sido conhecido como uma terra de lascívia e hedonismo. Creio que o livro “A Face Oculta do Amor” é uma poderosa revelação para o resgate de nossa nação e a plena libertação dos filhos de Deus dos braços do espírito de sensualidade. Este livro é uma resposta que busca não só apontar os problemas, mas resgatar valores de pureza e santidade. A leitura destes princípios conduzirão a Igreja a ser um testemunho de fé como a “Noiva do Cordeiro”, onde cada membro pode e deve viver longe da imoralidade e das ciladas do espírito de sensualidade. “A Face Oculta do Amor” não será mais oculta a você depois de conhecer estas realidades. Oro para que cada leitor seja verdadeiramente livre, conhecendo a Verdade, Jesus." Pastor Márcio Valadão Igreja Batista da Lagoinha (Belo Horizonte - MG).

Loja da Jocum

Frases 12 - A. W. Tozer


“Ó Deus, sê exaltado sobre meus bens. Nenhuma das riquezas desta terra parece ter valor para mim senão que Tu sejas glorificado em minha vida. Sê exaltado sobre minhas amizades. Estou decidido colocar-te acima de todas as coisas, ainda que eu seja abandonado e fique sozinho no meio da terra. Sê exaltado sobre tudo o que me dá conforto. Ainda que isto signifique perder o bem-estar físico e levar cruzes pesadas, serei fiel à promessa feita neste dia em Tua presença. Sê exaltado sobre minha reputação. Faze-me desejar agradar-Te, mesmo que, consequentemente, eu tenha de mergulhar na escuridão e o meu nome seja esquecido como um sonho. Eleva-Te, ó Senhor, ao lugar que te é devido, sobre minhas ambições, sobre tudo o que desejo e não desejo, sobre minha família, sobre minha saúde e até sobre minha própria vida. Que eu diminua para que Tua majestade cresça, que eu desça para que Tua majestade se erga. Vai adiante de mim como Tu foste para Jerusalém montado em um humilde jumentinho, e permita que eu ouça os teus filhos clamarem à Ti: “Hosana nas alturas”.”

BUSCA POR TEMA

* Alegria (1)
* Avivamento (20)
* Bíblia (8)
* Conversão (5)
* Dinheiro (5)
* Evangelho Bíblico (10)
* Evangelismo (6)
* Heresias (11)
* História da Igreja (1)
* Igreja (18)
* Missões (3)
* Oração (8)
* Pregação e Pregadores (6)
* Salvação (7)
* Santidade (17)
* Servos fiéis (19)
* Vida Cristã (58)
* Vida Crucificada (13)
* Últimos Dias (5)

19 de set de 2009

A Cruz é Algo Radical - A. W. Tozer


A cruz de Cristo é a coisa mais revolucionária que já apareceu entre os homens.

A cruz dos velhos tempos Romanos não conhecia acordo; ela nunca fez concessões. Ela venceu todas as suas disputas matando o seu oponente e silenciando- o de uma vez para sempre. Ela não poupou Cristo, mas o matou assim como os outros. Ele estava vivo quando O penduraram naquela cruz e completamente morto quando O tiraram dela seis horas mais tarde. Isso era a cruz, a primeira vez que apareceu na história Cristã.

Depois que Cristo foi levantado da morte os apóstolos saíram para pregar Sua mensagem, e aquilo que pregavam era a cruz. Onde quer que eles fossem pelo mundo afora carregavam a cruz e o mesmo poder revolucionário ia com eles. A mensagem radical da cruz transformou Saulo de Tarso e o mudou de um perseguidor de Cristãos para um crente gentil e um apóstolo da fé. O poder da cruz transformou homens maus em bons. Ela livrou a longa escravidão do paganismo e alterou completamente toda a perspectiva moral e mental do mundo Ocidental. Tudo isto ela fez e continua a fazer enquanto for permitido permanecer sendo o que era originalmente, uma cruz.

Amor por Cristo (em espanhol) - John MacArthur



A Morte do Eu - Délcio Meireles


“Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16:24); “(Jesus)... como um cordeiro que é levado ao matadouro... não abriu a sua boca” (Is 53:7); “Estes são os que seguem o Cordeiro por onde quer que Ele vá” (Ap 14:4); “(Eu) fui crucificado com Cristo, e vivo, não mais eu mas Cristo vive em mim” (Gl 2:20)

Em Lucas 14 o Senhor Jesus mencionou três vezes a frase: “não pode ser meu discípulo” (vs. 26, 27 e 33) A primeira condição é aborrecer pai, mãe, mulher, filhos, irmãos e irmãs e a própria vida (alma); a segunda é levar a própria cruz e seguir o Senhor; e a terceira é renunciar a tudo quanto possui. Diante disso, quantos crentes em Cristo são Seus discípulos? Precisamos negar o nosso Eu, carregar nossa Cruz, seguir o Senhor, ir para o matadouro sem abrir a boca, seguir o Cordeiro onde quer que Ele vá, mesmo para o matadouro: Isso é crucificação do Eu!

No nosso viver diário o Senhor prepara situações especiais para negarmos a nós mesmo, renunciarmos nosso direitos aborrecermos nossa alma (Eu), tomar nossa Cruz e segui-Lo. Vamos ver alguns exemplos de como isso acontece na prática:

Seja um escravo de Cristo - John Macarthur

Livro - O Homem Que Deus Usa - Charles H. Spurgeon, Watchman Nee e outros


Livro que fala sobre a vida cristã profunda. Alimento sólido para aqueles que desejam se entregar a Deus totalmente. Recomendo apenas aos cristãos mais maduros na fé.

Sinopse:
O Homem que Deus Usa revela o caminho estreito da vida cristã profunda a ser percorrido pelos que amam o Senhor e desejam servir, bem como os perigos e dificuldades que serão encontrados.

Esse caminho, que começa com nossa entrega absoluta a Deus, é freqüentemente permeado de sofrimentos, dores e provações, pois Deus usará Seu servo para desafiar Satanás. Tal pessoa torna-se alvo das atenções do príncipe das trevas, como aconteceu com Jó.

Justamente aí há um grande perigo: ficamos escandalizados com o Senhor, acalentando insatisfação pela maneira misteriosa como Ele nos tem tratado, e, desistimos, caindo na sutil armadilha do inimigo e tornando-nos inúteis para Deus. Aqueles, porém, que perseverarem terão o privilégio de participar dos sofrimentos de Cristo a favor de Sua Igreja e, assim, demonstrar seu amor por Ele. Diante desse maravilhoso chamamento celestial, só nos resta sermos derrotados e vencidos pelo Amado de nossa alma, e falarmos:

Torna-me um cativo, Senhor!
Você está disposto? Deus pode contar com você?

As mensagens deste livro, tais como as pedras preciosas, são resultado de extremo calor e pressão a que seus autores foram submetidos, tornando-se, por isso, verdadeiros tesouros espirituais e um teste para a experiência cristã e para o serviço que os homens fazem em nome de Deus.

Editora dos Clássicos

17 de set de 2009

Frases 11 - A. W. Tozer


"Ó Cristo, nosso Senhor, Tu tens sido nossa habitação em todas as gerações. Como coelhos correndo para a toca, assim corremos em Tua direção em busca de segurança; como pássaros chegando de suas viagens, assim nos achegamos a Ti em busca de paz. Oportunidades e mudanças nos absorvem em nosso pequeno mundo formado pela natureza e por homens, mas em Ti não encontramos inconstância nem sombra de desvio. Descansamos em Ti sem medo ou incerteza e nos deparamos com o amanhã sem ansiedade. Amém."

14 de set de 2009

O Perigo do Pensamento Secular na Igreja - Conrad Mbewe


TEXTO: 1 Coríntios 3:1-4

“E eu, irmãos não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a criancinhas em Cristo. Leite vos dei por alimento, e não comida sólida, porque não a podíeis suportar; nem ainda agora podeis; porquanto ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja e contendas, não sois porventura carnais, e não estais andando segundo os homens? Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; não sois apenas homens?”

INTRODUÇÃO

O assunto sobre o qual gostaria de engajar vossos pensamentos é aquele do perigo do pensamento secular na vida e ministério da igreja. Por um lado, nunca devemos esquecer que a igreja está no mundo. Nesse sentido nunca poderemos escapar de usar as facilidades e as leis (isto é, as leis da natureza) do mundo. Apesar disso, como Jesus uma vez disse, embora nós estejamos no mundo, nós não somos do mundo. Assim, deve haver uma diferença conspícua entre nosso pensamento, atitudes e aproximação para os assuntos, daqueles do mundo. Isto é o que deve fazer com que o mundo se impressione com a igreja. O fracasso de a igreja ser dessa forma diferente, não tem nada de novo. Paulo endereçou isto nesta passagem que neste momento lemos.

O PROBLEMA QUE ESTÁ SENDO ENFOCADO

Qual o assunto que o apóstolo Paulo tratando neste texto? Para muitas pessoas, era simplesmente o problema de invejas e contendas entre os Coríntios. Todavia, a preocupação de Paulo era a de tratar com um problema mais profundo – a causa das invejas e contendas. Qual era ela? Eu gostaria de sugerir que era um problema de pensamento secular na igreja. Paulo usa duas frases para se referir a isto – ser “mundano” [literalmente, ser carnal] e ser “meros homens” [literalmente, ser homens]. Estou interessado no último, que em si mesmo não têm conotações de pecado. Esta é uma atitude que coloca a razão humana acima da divina revelação (Romanos 3:5). Esta atitude impede o crescimento espiritual, porque ela assume que suas suposições devem ser corretas! Portanto, os Coríntios eram bebês espirituais quando eles deveriam ser maduros.

É O MESMO PROBLEMA HOJE

É o mesmo hoje. Nós tendemos olhar para a secularização como um progresso, mas na realidade ela é um empobrecimento porque estamos agindo como “meros homens” – isto é, homens sem o elemento espiritual. Esta secularização da igreja está manifestando-se primariamente na maneira como nós estamos procurando sinceramente fazer com que nossas igrejas sejam mais relevantes para nossa sociedade. Esta preocupação é correta, mas como estamos fazendo isto? Receio que estamos sacrificando a sabedoria espiritual e os sermões, fazendo-os sociais. Estamos fazendo a igreja e a adoração atrativas para o homem sem o espírito. Estamos meramente querendo ver números na igreja, sem uma real preocupação com o fruto espiritual. Por conseguinte, o verdadeiro evangelismo tem morrido e a ovelha que rouba é a ordem do dia. Em tudo isto, você pode ver que a Bíblia não é o princípio organizador do Cristianismo de hoje. Nós estamos atuando como meros homens. Assim é como o mundo atua também. Isto é uma perda total!

A RESPOSTA BÍBLICA PARA ISTO

O grande perigo desta maneira secular de pensar é que ele faz Deus irrelevante! O que interessa é “Paulo” ou “Apolo”. Este é o mero número nas igrejas. E sem dúvida, estamos conseguindo nosso número, mas a um grande custo. A igreja hoje, a despeito de seus graus e serviços completos de adoração, tem quase nenhum impacto no mundo. Isto é sobre o que Paulo advertiu os Coríntios, quando ele tratava do problema deles. Ele trouxe às mentes dos Coríntios que a Deus deve ser dada a posição central em todas as coisas:

(1) É somente Deus que dá o verdadeiro crescimento (3:5-9).
(2) É somente Deus que julgará verdadeiramente (3:10-15).
(3) É somente Deus que verdadeiramente habita em Seu povo (3:16-17).
(4) É somente Deus que tem a verdadeira sabedoria (3:18-20).

Isto vai em direção oposta ao pensamento secular. Traz Deus de volta para a posição central. Conhecer a Deus e fazê-LO conhecido torna-se a paixão de tal Cristianismo. Nós precisamos voltar para isto!

CONCLUSÃO

Eu não posso fazer nada melhor do que terminar com a exortação final de Paulo (versos 21-23). Jogue fora esta aproximação humanista secular e em vez disso, sejam absorvidos com Deus. Sejam verdadeiramente espirituais! Levantem-se acima do que já é seu, e se lançam para as alturas de Quem vocês pertencem. Sejam cativados pela beleza do Rei. “Voltem os seus olhos para Jesus”. Então vocês verão o verdadeiro crescimento espiritual. Qualquer esforço para resistir isto somente denunciará uma ausência de fé na Palavra de Deus e no Deus da Palavra. Vocês denunciarão o fato de que vocês são meros homens. Para os espirituais, digo, não se ludibriem. Deixem Deus ser Deus. Amém!

Extraído de: Monergismo

12 de set de 2009

CORRA! - Carter Conlon

Fé: Quando a Razão Não Pode Ajudar - David Wilkerson


Quando Deus diz à humanidade: “Creia”, Ele pede algo que está totalmente além da razão. A fé é inteiramente ilógica. A sua própria definição tem a ver com algo irracional. Pense nisso: a carta de Hebreus diz que a fé é a substância de algo que se espera, a prova que se não vê. Somos informados, em resumo, de que “inexiste uma substância tangível. Inexiste prova absolutamente alguma”. Mesmo assim somos orientados a crer. Dá para você pensar numa exigência mais irracional do que essa? Ela diz simplesmente: “Aceite isso sem provas. Confie no invisível”. Está totalmente além da lógica.

Estou focalizando esse assunto por uma razão importante. Nesse momento, por todo o mundo, multidões de crentes estão se dobrando ao desencorajamento. O povo de Deus está passando por provações, lutas, sofrimento, e todo tipo de caos. O fato é que todos continuaremos a enfrentar desencorajamentos nessa vida. Contudo, creio que se compreendermos a natureza da fé – a sua natureza ilógica e irracional, encontraremos a ajuda que precisamos para prosseguir.

Veja a fé que foi exigida de Noé. Ele viveu numa geração que havia se desgovernado inteiramente. Não dá nem para começar a se imaginar a malignidade dos tempos em que esse homem viveu: violência e assassinatos crescentes. Finalmente, disse: “Chega! O homem está destruindo a si próprio. Isso tem de parar”.

Ele disse a Noé: “Destruirei toda a carne. Mas preservarei a você e sua família. Então, quero que construa uma arca, Noé. E quero que você junte nela todas as espécies animais, em casais. Enquanto você estiver fazendo isso, darei aos habitantes da terra 120 anos de misericórdia. Aí então enviarei uma chuva que não parará por 40 dias e noites. Haverá um grande dilúvio, que eliminará todo ser vivente”.

Imagine o assombro de Noé ao tentar entender isso. Deus iria enviar um cataclisma, que destruiria toda a terra. Ainda assim, tudo que foi dito para Noé em relação a tal assunto foram estas breves palavras dos céus. Ele simplesmente deveria aceitar isso pela fé, sem receber mais nenhuma orientação por 120 anos.

Pense no quê a fé estava exigindo de Noé. Ele recebeu a tarefa gigantesca de construir uma enorme arca. E enquanto isso, teria de viver num mundo violento e perigoso. Ele estava cercado de gigantes, criminosos, céticos, todos observando cada passo dele. Tenho certeza de que zombaram de Noé enquanto ele enfadonhamente trabalhava na arca ao longo dos anos. E, endurecidos pela violência, provavelmente ameaçaram matá-lo. Porém a fé exigia que Noé conservasse seu coração “temente a Deus” (v. Hebreus 11:7). Ele tinha de continuar crendo, enquanto o mundo todo ao redor dele dançava, farreava e mergulhava na sensualidade.

Basicamente, Deus havia dito a ele: “Você deve crer na Minha Palavra, Noé. Estou pedindo que Me obedeça, sem desculpas. Se em algum momento começar a duvidar, ou tiver vontade de desistir, você terá de confiar no que lhe disse. Não lhe darei nenhuma prova, apenas a Minha promessa. Você deve agir baseado unicamente nisso”.

Um quadro totalmente ilógico. Certamente às vezes Noé se frustrava, tanto externa como interiormente. Quantos dias ficou desencorajado? De quanto em quanto tempo se perguntou “Isso é uma besteira. Como posso saber que era a voz de Deus?”. Mas Noé fez como Deus mandou. Continuou confiando na palavra que recebeu, por mais de um século. E por sua obediência, dizem as escrituras, Noé “se tornou herdeiro da justiça que vem da fé” (v. Hebreus 11:7).

Veja Abraão. Deus disse a esse homem: “Levante-se, saia, e deixe a sua terra”. Certamente ele ficou imaginando: “Mas para onde, Senhor?”. Deus respondeu simplesmente: “Não vou dizer. Apenas vá”.

Isso não era lógico. Era uma exigência totalmente não razoável para qualquer ser pensante. Vou ilustrar perguntando à qualquer esposa cristã: o que aconteceria se o seu marido chegasse em casa um dia, e dissesse: “Arrume as malas, amor – nós vamos mudar”. É claro, você iria querer saber por que, ou para onde, ou como. Mas a única resposta que ele lhe dá é: “Não sei. Eu só sei que Deus mandou fazer isso”. Inexiste correspondência racional a esse tipo de exigência. Ela simplesmente diria que não é lógica.

Contudo essa foi exatamente a direção ilógica que Abraão seguiu. “Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia” (Hebreus 11:8). Abraão fez as malas da família e saiu, sem saber onde acabaria a viagem. A única coisa que sabia era a breve palavra que Deus havia lhe dado: ” Vá, Abraão, e Eu estarei contigo. Nenhum mal chegará a ti”. A fé exigia que Abraão agisse baseado em nada além desta promessa.

Em uma noite estrelada, Deus diz a Abraão: “Olhe para o céu. Está vendo as inúmeras estrelas? Conte-as se puder. Essa será a quantidade de descendentes que você terá” (v. Gênesis 15:5). Abraão deve ter abanado a cabeça diante disso. Ele era velho então, bem como sua esposa, Sara. Há muito havia passado o tempo da possibilidade de terem um filho. Contudo aqui ele recebe a promessa de que se tornaria o pai de muitas nações. E a única evidência que possuía para prosseguir era uma palavra dos céus: ” Eu sou o Senhor” (Gênesis 15:7).

Mas Abraão obedeceu. E a Bíblia diz o mesmo em relação a ele que diz de Noé: “Ele creu no Senhor, e isso lhe foi imputado para justiça” (15:6). De novo, vemos uma cena ilógica. Mesmo assim a fé de um homem é transformada em justiça.

Veja os filhos de Israel. Pense nas situações de provação às quais foram levados por Deus. Ele os livrou das garras do faraó no Egito só para se verem encurralados no mar Vermelho. Os israelitas ficaram cercados pelas montanhas por dois lados, com o exército do faraó rapidamente caindo sobre eles por trás. Era uma situação desesperadora, sem nenhuma saída humana. O coração do povo deve ter se agitado ao ouvir o ribombar dos carros do faraó, e vendo o pó levantado pelos cavalos.

Mesmo conhecendo o desdobramento desta cena, a minha carne quer argumentar com Deus: “Não parece justo, Senhor. Que tremendo trauma para as famílias e seus filhos. Eles ficaram presos lá, sem barcos ou jangadas, se perguntando o que fazer. Deus, uma noite o Senhor matou todos os primogênitos do Egito. Por que não matou todos esses soldados no deserto? É irracional, com todas aquelas crianças chorando, e os homens e mulheres tremendo de medo. Eles tinham Lhe obedecido – mesmo assim o Senhor permitiu que isso lhes sobreviesse. Por que levá-los a passar por isso?”.

Não há como escapar deste fato: Deus os levou à essa situação. E a cena inteira é totalmente ilógica, completamente irracional. Deus simplesmente esperava que eles cressem na palavra que já havia lhes dado: “Vou pegá-los em meus braços e carregá-los através do deserto. Nenhum inimigo prosperará contra vocês, pois estarei consigo. Vocês simplesmente se aquietem e vejam a salvação do Senhor”.

Eu lhe pergunto: quantos de nós hoje não ficaríamos lá com medo e chorando, como os israelitas fizeram? Se formos honestos, sabemos que é exatamente assim que reagimos agora, na maioria de nossas crises. A situação dos nossos corações não é similar a deles?

Simplificando, a fé é muito exigente. Ela exige que uma vez tendo ouvido a Palavra de Deus, a obedeçamos, sem nenhuma outra evidência ou prova para nos dirigir. Não importa o quão grandes os nossos obstáculos possam ser, o quanto as nossas circunstâncias sejam impossíveis. Devemos crer em Sua Palavra e agir baseados nela, sem nenhuma outra prova para ir em frente. Deus diz: “A única coisa que você necessita é da Minha promessa”.

David Wilkerson

Parte do sermão, “A Irracionalidade da Fé”.

Extraído do site: Discernimento Cristão

9 de set de 2009

Os poucos que serão salvos - John Piper, Paul Washer, Leonard Ravenhill, Tim Conway e Charles Leiter

Leia Lc 13:22-24 para entender melhor.

Livro - Simplesmente como Jesus - Max Lucado


Max Lucado é conhecido por ser um excelente escritor, e este livro não é exceção. Escrito em uma linguagem simples e envolvente, Max mostra que Deus ama o homem mas também deseja transformá-lo. Livro ideal para novos convertidos.

Sinopse: O desejo de Deus, seu plano, seu objetivo supremo, é fazer você à imagem de Cristo. Mas como ocorre esta mudança? Se Deus deseja que eu seja como Jesus, porque ainda me pareço comigo mesmo? Neste livro o autor mostra porque Deus quer mudar o homem e revela seus métodos de transformação. Deus o ama do jeito que você é, mas não quer deixá-lo da mesma maneira. Ele quer que você seja simplesmente como Jesus.

Editora CPAD: http://www.cpad.com.br/

Frases 10 - Leonard Ravenhill


"Se somos fracos na oração, nós somos fracos em toda a parte."


"Um homem pecador pára de orar, um homem de oração pára de pecar."

"A única razão pela qual não temos avivamento é porque estamos dispostos a viver sem ele!"

"Como você pode derrubar as fortalezas de Satanás, se você não tem nem a força para desligar a TV?"

8 de set de 2009

Desligue seu ídolo (TV) - Paul Washer e David Wilkerson

6 de set de 2009

Precisamos Novamente de Homens de Deus - A. W. Tozer


A igreja, neste momento, precisa de homens, o tipo certo de homens, homens ousados. Afirma-se que necessitamos de avivamento e de um novo movimento do Espírito; Deus, sabe que precisamos de ambas as coisas. Entretanto, Ele não haverá de avivar ratinhos. Não encherá coelhos com seu Espírito Santo.

A igreja suspira por homens que se consideram sacrificáveis na batalha da alma, homens que não podem ser amedrontados pelas ameaças de morte, porque já morreram para as seduções deste mundo. Tais homens estarão livres das compulsões que controlam os homens mais fracos. Não serão forçados a fazer as coisas pelo constrangimento das circunstâncias; sua única compulsão virá do íntimo e do alto.


Esse tipo de liberdade é necessária, se queremos ter novamente, em nossos púlpitos, pregadores cheios de poder, ao invés de mascotes. Esses homens livres servirão a Deus e à humanidade através de motivações elevadas demais, para serem compreendidas pelo grande número de religiosos que hoje entram e saem do santuário. Esse homens jamais tomarão decisões motivados pelo medo, não seguirão nenhum caminho impulsionados pelo desejo de agradar, não ministrarão por causa de condições financeiras, jamais realizarão qualquer ato religioso por simples costume; nem permitirão a si mesmos serem influenciados pelo amor à publicidade ou pelo desejo por boa reputação.

5 de set de 2009

The Revival Hymn Redux (em inglês) - Pregadores diversos


Este vídeo é uma versão reduzida e aprimorada do famoso "The Revival Hymn" (também postado neste blog). É um uma compilação de trechos de sermões pregados em diversas décadas, entre os anos 50 e 80, por verdadeiros homens de Deus: Paris Reidhead, Leonard Ravenhill, A. W. Tozer, Duncan Campbell e outros. Seu tema é avivamento e a glória de Deus. Vale a pena ver!

2 de set de 2009

Arrependimento - Dwight L. Moody


Eu não me dirijo somente ao não convertido, porque sou daqueles que crêem que a igreja precisa se arrepender muito antes que muita coisa de valor possa ser feita no mundo. Acredito firmemente que o baixo padrão de vida cristã está mantendo muita gente no mundo e nos seus pecados. Se o incrédulo vê que o povo cristão não se arrepende, não se pode esperar que ele se arrependa e se converta de seu pecado. Eu tenho me arrependido dez mil vezes mais depois que conheci a Cristo, do que em qualquer época anterior, e penso que a maioria dos cristãos precisa se arrepender de alguma coisa.

Assim, quero pregar tanto para os cristãos como para os não-convertidos, tanto para mim mesmo quanto para aquele que nunca conheceu a Cristo como seu Salvador.

Há cinco coisas que fluem do verdadeiro arrependimento:
1. Convicção.
2. Contrição.
3. Confissão de pecado.
4. Conversão.
5. Confissão de Cristo diante do mundo.

Convicção

Quando um homem não está profundamente convicto de seus pecados, é um sinal bem certo de que ainda não se arrependeu de verdade. A experiência tem me ensinado que as pessoas que têm uma convicção muito superficial de seus pecados, cedo ou tarde recaem em suas velhas vidas. Nos últimos anos tenho estado bem mais ansioso por uma profunda e verdadeira obra de Deus entre os já convertidos do que em alcançar grandes números. Se um homem confessa ser convertido sem reconhecer a atrocidade de seus pecados, provavelmente se transformará num ouvinte endurecido que não irá muito longe. No primeiro sopro de oposição, na primeira onda de perseguição ou ridículo, eles serão carregados de volta para o mundo.

Creio que é um erro lamentável conduzirmos tantas pessoas à igreja que nunca experimentaram a verdadeira convicção de pecados. O pecado no coração do homem é tão negro hoje quanto o foi em qualquer outra época. Às vezes penso que está mais negro. Porque quanto maior a luz que uma pessoa tiver, maior sua responsabilidade, e, por conseguinte, maior a sua necessidade de profunda convicção.

Até que a convicção de pecados nos faça cair de joelhos, até que estejamos completamente humilhados, até que tenhamos perdido toda esperança em nós mesmos, não podemos encontrar o Salvador.

Há três coisas que nos levam à convicção:
(1) A Consciência;
(2) A Palavra de Deus;
(3) O Espírito Santo .
Todos os três são usados por Deus.

Muito antes de existir a Palavra escrita, Deus tratava com o homem através da consciência. Foi por isto que Adão e Eva se esconderam da presença do Senhor Deus entre as árvores do Jardim do Éden. Foi isto que convenceu os irmãos de José quando disseram: 'Na verdade, somos culpados, no tocante a nosso irmão, pois lhe vimos a angústia da alma, quando nos rogava, e não lhe acudimos. Por isso', disseram eles (e lembre-se, mais de vinte anos haviam se passado depois que eles o venderam como cativo), ' por isso nos vem essa ansiedade'.
É a consciência que devemos usar com nossos filhos antes de atingirem uma idade onde podem entender a Palavra e o Espírito de Deus. E é a consciência que acusa ou inocenta o ímpio.
A consciência é 'uma faculdade divinamente implantada no homem, que o pede a fazer o que é certo'. Alguém disse que ela nasceu quando Adão e Eva comeram do fruto proibido, quando seus olhos foram abertos e 'conheceram o bem e o mal'. Ela julga, mesmo contra nossa vontade, os nossos pensamentos, palavras, e ações, aprovando ou condenando-os de acordo com a sua avaliação de certo ou errado. Uma pessoa não pode violar sua consciência sem sentir a sua condenação.
Mas a consciência não é um guia seguro, porque freqüentemente ela só dirá que uma coisa é errada depois de você a praticar. Ela precisa ser iluminada por Deus porque faz parte de nossa natureza caída. Muitas pessoas fazem o que é errado sem serem condenadas pela consciência. Paulo disse: 'Na verdade, a mim me parecia que muitas cousas devia eu praticar contra o nome de Jesus, o Nazareno' (At 26:9). A própria consciência precisa ser educada.
Outra vez, a consciência freqüentemente é como um relógio despertador , que a princípio desperta e acorda, mas com o tempo a pessoa se acostuma com ele, e então perde o seu efeito. A consciência pode ser asfixiada. Creio que cometemos um erro em não dirigirmos as pregações mais para a consciência .

Portanto, no devido tempo a consciência foi suplantada pela Lei de Deus, que no seu tempo foi cumprida em Cristo.
Neste país cristão, onde as pessoas têm Bíblias, a Palavra de Deus é o meio que Deus usa para produzir convicção. A Bíblia nos diz o que é certo e o que é errado antes de você cometer o pecado, e assim o que você precisa é aprender e apropriar-se de seus ensinos, sob a direção do Espírito Santo. A consciência comparada à Bíblia é como uma vela comparada ao sol lá no céu.
Veja como a verdade convenceu aqueles judeus no dia de Pentecostes. Pedro, cheio do Espírito Santo, pregou que 'este Jesus que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo'. 'Ouvindo eles estas cousas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos?' (At 2: 36, 37).

Em terceiro lugar, enfim, o Espírito Santo convence. Algumas das mais poderosas reuniões de que já participei foram aquelas em que houve uma espécie de quietude sobre o povo e parecia que um poder invisível se apoderava das consciências. Lembro-me de um homem que veio à reunião e no momento em que entrou, sentiu que Deus estava lá. Um senso de reverência veio sobre ele, e naquela mesma hora sentiu convicção e se converteu.

Contrição

A próxima coisa é a contrição, o profundo sentimento de tristeza segundo Deus e humilhação de coração por causa do pecado . Se não houver verdadeira contrição, o homem voltará direto para o seu velho pecado. Esse é o problema com muitos cristãos .

Um homem pode sentir raiva e se não houver muita contrição, no dia seguinte sentirá raiva outra vez. A filha pode dizer coisas indignas, ofensivas à sua mãe, e porque sua consciência lhe perturba ela diz: 'Mãe, sinto muito. Perdoe-me'.

Mas logo há um outro impulso genioso, porque a contrição não foi profunda nem verdadeira. Um marido diz palavras agressivas à sua esposa, e então para aliviar sua consciência, compra um buquê de flores para ela. Ele não quer enfrentar a situação como um homem e dizer que errou.

O que Deus quer é contrição, e se não houver contrição, não há arrependimento completo. 'Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os de espírito oprimido.' 'Coração compungido e contrito não o desprezarás, ó Deus.' Muitos pecadores lamentam por seus pecados, lamentam por não poderem continuar pecando; mas se arrependem apenas com corações que não estão quebrantados. Não creio que saibamos como nos arrepender atualmente. Precisamos de um João Batista, que ande pelo país, gritando: 'Arrependam-se! Arrependam-se! '

Confissão de pecado

Se tivermos verdadeira contrição, ela nos levará a confessarmos nossos pecados. Creio que nove décimos dos problemas em nossa vida cristã são resultado de não fazermos isso. Tentamos esconder e cobrir nossos pecados. Há muito pouca confissão deles. Alguém disse: 'Pecados não confessados na alma são como uma bala no corpo'.

Se você não tiver poder, talvez seja porque há algum pecado que precisa ser confessado, alguma coisa em sua vida que necessita ser removida. Não importa quantos salmos você cante, ou a quantas reuniões você compareça, ou o quanto você ore e leia a sua Bíblia, nada disso encobrirá esse tipo de problema. O pecado deve ser confessado, e se o meu orgulho me impede de confessar, não devo esperar misericórdia de Deus nem respostas às minhas orações .

A Bíblia diz: 'O que encobre as suas transgressões, jamais prosperará' (Pv 28:13). Pode ser um homem no púlpito, um sacerdote por trás do altar, um rei no trono _ não me importo quem ele seja. O homem está tentando fazer isso há seis mil anos. Adão o tentou e falhou. Moisés o tentou quando enterrou o egípcio que matou, mas falhou.

'Sabei que o vosso pecado vos há de achar.' Por mais que você tente enterrar o seu pecado, este tornará a aparecer mais cedo ou mais tarde, se não for apagado pelo Filho de Deus. Se o homem nunca conseguiu fazer isso em seis mil anos, é melhor você e eu desistirmos de tentar.

Há três maneiras de se confessar pecados . Todo pecado é contra Deus, e a Ele deve ser confessado. Há pecados que eu não preciso confessar a pessoa alguma no mundo. Se o pecado foi entre mim e Deus, devo confessá-lo sozinho no meu quarto. Não preciso cochichá-lo no ouvido de nenhum mortal. 'Pai, pequei contra o céu e diante de Ti.' 'Pequei contra Ti, contra Ti somente, e fiz o que é mal perante os Teus olhos.'

Mas se fiz algo errado a alguma pessoa, e ela sabe que a prejudiquei, devo confessar o pecado não somente a Deus mas também a esta pessoa . Se o meu orgulho me impede de confessar meu pecado, não preciso ir a Deus.

Posso orar, posso chorar, mas isso não adiantará. Primeiro confesse àquela pessoa, e depois a Deus, e veja com que rapidez Ele lhe ouvirá e lhe enviará a paz. 'Se pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma cousa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta.' (Mt 5: 23, 24). Esse é o caminho bíblico.

Há outra classe de pecados que devem ser confessados publicamente. Suponha que fui conhecido como um blasfemador, um alcoólatra ou um depravado. Se me arrependo de meus pecados, devo ao público uma confissão. A confissão deve ser tão pública quanto foi a transgressão. Muitas vezes uma pessoa dirá algo maldoso a respeito de outra na presença de terceiros, e então tentará apaziguar isso indo somente à pessoa prejudicada. A confissão deve ser feita de forma que todos os que ouviram a transgressão possam ouvir a confissão.

Somos bons em confessar o pecado de outras pessoas, mas se experimentarmos um verdadeiro arrependimento, ficaremos mais que ocupados cuidando dos nossos próprios pecados. Quando alguém dá uma boa olhada no espelho de Deus, não encontrará ali faltas dos outros; tem coisas demais a ver em si mesmo.

'Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça' (1 Jo 1:9). Obrigado Senhor pelo Evangelho! Crente, se há algum pecado em sua vida, resolva confessá-lo, e seja perdoado. Não deixe nenhuma nuvem entre você e Deus. Garanta o seu título para a mansão que Cristo foi preparar para você .

Conversão

A confissão leva à verdadeira conversão, e não pode haver uma verdadeira conversão, até que se tenha dado esses três passos .

Agora a palavra conversão significa duas coisas. Dizemos que uma pessoa é 'convertida' quando nasce de novo. Mas conversão também tem um significado diferente na Bíblia. Pedro disse: 'Arrependei-vos...e convertei-vos' (At 3:19). Existe uma versão que traduz assim: 'Arrependei-vos e voltai-vos'. Paulo disse que não foi desobediente à visão celestial, mas começou a pregar a judeus e gentios para que se arrependessem e se voltassem para Deus. Um certo teólogo de outra época disse: 'Todos nós nascemos de costas para Deus. O arrependimento é uma mudança de trajetória. É uma volta de cento e oitenta graus .'

Pecado é afastar-se de Deus. Como alguém disse, é aversão a Deus e conversão para o mundo; enquanto que o verdadeiro arrependimento significa conversão a Deus e aversão ao mundo. Quando há verdadeira contrição, o coração está entristecido por causa do pecado; quando há verdadeira conversão, o coração fica liberto do pecado. Deixamos a velha vida, somos transportados do reino das trevas para o reino da luz. Maravilhoso, não é?

A não ser que nosso arrependimento inclua essa conversão, não vale muito. Se alguém continua em pecado, é a prova de uma profissão inútil. É como bombear água para fora do navio, sem tampar os vazamentos. Salomão disse: 'Se o povo orar... e confessar teu nome, e se converter dos seus pecados... '(2 Cr 6:26).

Oração e confissão não seriam de proveito nenhum enquanto o povo continuasse em pecado. Vamos prestar atenção à chamada de Deus. Vamos abandonar o velho caminho perverso. Voltemos ao Senhor, e Ele terá misericórdia de nós, e ao nosso Deus, porque Ele perdoará abundantemente.

Confissão de Cristo

Se você é convertido, o próximo passo é confessar isso abertamente . Ouça: 'Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça, e com a boca se confessa a respeito da salvação' (Rm 10:9, 10).

A confissão de Cristo é o clímax da obra de verdadeiro arrependimento . Devemos isso ao mundo, aos nossos semelhantes cristãos e a nós mesmos. Ele morreu para nos redimir, e podemos estar envergonhados ou com medo de confessá-Lo? A religião como uma abstração, como uma doutrina, tem pouco interesse para o mundo, mas aquilo que as pessoas podem testemunhar da experiência pessoal sempre tem peso.

Ah, amigos, estou tão cansado de cristianismo medíocre. Vamos nos entregar cem por cento por Cristo. Não vamos dar um som inseguro. Se o mundo quer nos chamar de tolos, que o faça. É apenas por um pouco. O dia da coroação está chegando. Graças a Deus pelo privilégio que temos de confessar a Cristo!

Autor: Dwight L. Moody

1 de set de 2009

Livro - Vida que nasce da morte - Ted A. Hegre


Este é o livro mais completo sobre vida cristã que conheço. Fala sobre cruz, tentação, pecado, Espírito Santo, disciplina, sacrifício, quebrantamento, intercessão, combate e cura divina. Enfim, como ter uma vida vitoriosa. Muito recomendado!

Sinopse: Alguma vez já lhe ocorreu que a sua vida cristã não corresponde ao padrão descrito na Bíblia? Nosso intento é obedecer a Deus, amar os irmãos e o nosso próximo, e ver em nossa fé o vogor que ela devia ter... mas isso parece um sonho impossível. Em VIDA QUE NASCE DA MORTE você conhecerá a experiência do autor e descobrirá como a aplicação dos 3 aspectos-benção da cruz poderá revolucionar a sua vida levando-a em uma renovada comunhão com Deus, e trazendo-lhe vitória sobre o ego, Satanás e o pecado.

Frases 9 - A. W. Tozer

"Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos. Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que posa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento"